Vacina contra a COVID-19

 

A vacina contra a COVID-19 é gratuita e está disponível para todas as pessoas com 5 anos ou mais, independentemente da condição em que se encontram com a imigração.

Queremos disponibilizar a vocês as informações que precisam. Vamos mantê-los atualizados para que possa escolher de forma consciente com relação a sua saúde.

17 de dezembro de 2021 – O Centers for Disease Control and Prevention (CDC, Centro de Controle e Prevenção de Doenças) e o Washington State Department of Health (DOH, Departamento de Saúde do Estado de Washington) recomendam que as pessoas com 18 anos de idade ou mais escolham tomar a vacina de mRNA contra a COVID-19 (Pfizer ou Moderna) ao invés da vacina contra a COVID-19 da Johnson & Johnson, devido ao risco raro de adquirir uma condição chamada thrombosis with thrombocytopenia syndrome (TTS, síndrome de trombose com trombocitopenia), que está associada a coágulos sanguíneos e baixa contagem de plaquetas, além da Guillain-Barré syndrome (GBS, síndrome de Guillain-Barré), uma doença autoimune que pode danificar os nervos. 

A vacina da Johnson & Johnson ainda está disponível caso você não consiga ou não esteja disposto a tomar uma vacina de mRNA. Fale com o seu provedor de assistência médica sobre as suas opções.

O que preciso saber para ser vacinado contra a COVID-19?

Como faço para ser vacinado?

Acesse o Localizador de vacinas para encontrar e agendar um horário.

Você também pode enviar uma mensagem de texto com seu CEP para 438-829 (GET VAX) para encontrar postos de vacinação perto de você.

Você tem dúvidas sobre a vacina contra a COVID-19? Você precisa de ajuda para agendar um horário para ser vacinado? Ligue para a linha direta de informações sobre a COVID-19 por meio do número 1-800-525-0127 e pressione #. A assistência de idiomas está disponível.

Se estiver agendando um horário para sua segunda dose da vacina (Moderna/Spikevax ou Pfizer/Comirnaty), deverá ser aplicada a mesma vacina recebida na primeira dose.

Se você ou algum conhecido não pode sair de casa, preencha um formulário seguro on-line (apenas em inglês). Suas respostas nos permitirão encontrar equipes de vacinação móveis do condado e/ou estaduais disponíveis para esses indivíduos.

Para saber outras questões relacionadas à COVID-19, como acomodação, assistência a serviços públicos, seguro saúde, ligue para 211 ou consulte wa211.org

Para saber mais, consulte a página de informações sobre a Vacinação contra a COVID-19: O que você deve saber.

Preciso ser um cidadão americano para ser vacinado?

Não, você não precisa ser um cidadão americano para ser vacinado. Isso significa que você não precisa de um número de seguro social ou outros documentos sobre sua condição com a imigração para ser vacinado. Alguns fornecedores das vacinas podem pedir um número de seguro social, mas você não precisa apresentá-lo.

Seu filho não precisa ser cidadão americano para ser vacinado. Os prestadores de serviços de saúde não solicitam sua condição com a imigração. Na maioria dos casos, os pais e responsáveis precisarão consentir para que jovens menores de 18 anos sejam vacinados.

O Washington State Department of Health (Departamento de Saúde do Estado de Washington) recomenda que todas as pessoas com 5 anos ou mais sejam vacinadas.

Serei cobrado pela vacina?

Não. Você não deve ser cobrado ao ser vacinado ou receber um cobrança do seu provedor ou da unidade de vacinação. Isso se aplica a pessoas com ou sem seguro privado, Apple Health (Medicaid) ou Medicare.

Se você receber outros serviços enquanto estiver sendo vacinado pelo seu provedor, poderá receber uma cobrança referente ao serviço prestado. Para evitar isso, você pode perguntar ao seu provedor com antecedência sobre o custo envolvido.

Se você não tiver seguro de saúde, os provedores não poderão cobrar pela vacina, e caso isso aconteça, estarão violando os requisitos do programa de vacinação contra a COVID-19. Envie um e-mail para covid.vaccine@doh.wa.gov caso você seja cobrado.

Se você tem seguro de saúde e foi cobrado, entre em contato com o seu provedor de seguro primeiro. Se isso não resolver o problema, você também poderá registrar uma reclamação (apenas em inglês) na Agência Reguladora de Seguros.

  • Ligue para 800-562-6900 para acessar o serviço de intérprete por telefone (disponível em mais de 100 idiomas sem nenhum custo)
  • TDD/TYY: 360-586-0241
  • TDD: 800-833-6384
E se eu não tiver seguro de saúde?

Se você não tiver cobertura do seguro, informe ao seu provedor. De qualquer forma, você será vacinado gratuitamente. O governo federal tem um programa (apenas em inglês) que pagará ao provedor para administrar sua vacinação.

Se não serei cobrado pela vacina, por que estão solicitando informações sobre o meu seguro de saúde?

Ao ser vacinado, o seu provedor de vacinação poderá perguntar se você tem um cartão de seguro. Isso é para que eles possam ser reembolsados pela vacina aplicada (taxa de administração da vacina). Informe seu provedor caso você não tenha seguro. De qualquer forma, você será vacinado gratuitamente.

O que é a taxa de administração da vacina e quem paga por ela?

A taxa de administração da vacina refere-se a quantia que um prestador de serviços de saúde cobra pela aplicação da vacina. Ela é separada do custo da própria vacina.

O governo federal pagará o custo total da vacina. Se você tiver um seguro de saúde público ou privado, o fornecedor da vacina poderá cobrá-lo com relação ao reembolso da taxa de administração da vacina. Se você não tiver um seguro, o governo federal oferecerá um programa (apenas em inglês) que pagará ao provedor para administrar sua vacinação.

Você não deve ser cobrado diretamente ou receber uma cobrança do seu provedor referente à taxa de administração da vacina contra a COVID-19. Isso se aplica a pessoas com ou sem seguro privado, Apple Health (Medicaid) ou Medicare.

Quais são as vacinas contra a COVID-19 disponíveis atualmente?

Três vacinas estão autorizadas para uso emergencial ou totalmente aprovadas pela U.S. Food and Drug Administration (FDA, Agência de Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA). Essas vacinas são oferecidas atualmente no estado de Washington. As vacinas da Pfizer (Comirnaty) e da Moderna (Spikevax) são mais recomendadas do que a vacina da Johnson & Johnson devido ao risco raro de uma condição chamada thrombosis with thrombocytopenia syndrome (TTS, síndrome de trombose com trombocitopenia) e Guillain-Barré syndrome (GBS, síndrome de Guillain-Barré).

Vacina contra a COVID-19 da Pfizer-BioNTech (Comirnaty):

Essa é uma vacina de duas doses, com intervalo de 21 dias entre elas, além de:

  • Uma dose adicional (terceira dose) para pessoas imunossuprimidas.
  • Uma dose de reforço para pessoas com 12 anos de idade ou mais, pelo menos cinco meses após a administração da segunda dose.

Você não será considerado totalmente protegido até cerca de duas semanas após receber a segunda dose. A vacina Comirnaty foi totalmente aprovada para pessoas com 16 anos de idade ou mais. A vacina está autorizada para uso emergencial em jovens entre 5 e 15 anos de idade. Os ensaios clínicos demonstraram não haver eventos adversos graves não previstos.

Vacina contra a COVID-19 da Moderna (Spikevax) :

Essa é uma vacina de duas doses, com intervalo de 28 dias entre elas, além de:

  • Uma dose adicional (terceira dose) para pessoas imunossuprimidas.
  • Uma dose de reforço para pessoas com 18 anos de idade ou mais, pelo menos cinco meses após a administração da segunda dose.

Você não será considerado totalmente protegido até cerca de duas semanas após receber a segunda dose. Os ensaios clínicos demonstraram não haver eventos adversos graves não previstos. 

Vacina contra a COVID-19 da Johnson & Johnson – Janssen:

Essa vacina foi autorizada para uso emergencial em pessoas com 18 anos de idade ou mais. Essa é uma vacina de dose única (uma dose). Você não será considerado totalmente protegido até uma ou duas semanas após receber a vacina. Pessoas com 18 anos de idade ou mais devem receber uma dose de reforço dois meses após a primeira dose. Os ensaios clínicos demonstraram não haver eventos adversos graves não previstos. As vacinas da Pfizer e Moderna são recomendadas no lugar da vacina da Johnson & Johnson.

Eu tenho que receber todas as doses da vacina contra a COVID-19?

As vacinas da Comirnaty/Pfizer e Spikevax/Moderna são administradas em duas doses na maioria das pessoas. Algumas pessoas com maior risco de exposição ao vírus ou que talvez não respondam tão bem à vacina podem precisar de três ou quatro doses. Se você receber a vacina da Comirnaty/Pfizer ou Spikevax/Moderna, será necessário receber todas as doses recomendadas, com base em seu nível de risco e resposta imunológica, para obter a máxima proteção contra a COVID-19.

A vacina contra a COVID-19 da Johnson & Johnson-Janssen é uma vacina de dose única, com a recomendação de uma dose de reforço para todas as pessoas com 18 anos de idade ou mais, após pelo menos dois meses.

Se estou atrasado para minha segunda dose, precisarei reiniciar a série de vacinas?

Não. Se você estiver atrasado para a segunda dose, não precisará reiniciar a série de vacinas.

Tome a segunda dose o mais rápido possível após o número recomendado de dias indicado desde a sua primeira dose (21 dias para a Comirnaty/Pfizer, 28 dias para a Spikevax/Moderna).

É importante tomar as duas doses, não importa quando você receberá a segunda dose.

Se você for imunossuprimido e se qualificar para receber uma dose adicional, será necessário esperar pelo menos 28 dias após a segunda dose.

Posso tomar a vacina contra a COVID-19 se estiver grávida, amamentando ou planejando engravidar?

Sim, os dados mostram que as vacinas contra a COVID-19 são seguras durante a gravidez. O Centers for Disease Control and Prevention (CDC, Centro para Prevenção e Controle de Doenças) (apenas em inglês), American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG, Academia Norte-Americana de Obstetras e Ginecologistas) (apenas em inglês) e a Society for Maternal-Fetal Medicine (SMFM, Sociedade de Medicina Materno-Fetal) (apenas em inglês) recomendam a vacina contra a COVID-19 para mulheres grávidas, em amamentação ou que planejam engravidar. Alguns estudos mostram que, se você for vacinada, seu bebê pode até desenvolver anticorpos contra a COVID-19 durante a gravidez e a lactação. Gestantes não vacinadas que contraem a COVID-19 apresentam risco aumentado de complicações graves, como parto prematuro ou natimorto. Além disso, as gestantes que contraem a COVID-19 durante a gravidez têm de duas a três vezes mais probabilidade de precisar de suporte avançado de vida e intubação.

Se você quiser falar com alguém sobre como ser vacinada contra a COVID-19 durante a gravidez, entre em contato com a MotherToBaby. Os especialistas da MotherToBaby estão disponíveis para responder as dúvidas em inglês ou espanhol por telefone ou chat. O serviço gratuito e confidencial está disponível de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h (horário local). Para entrar em contato com a MotherToBaby:

Posso receber a vacina contra a COVID-19 quando receber as vacinas de rotina?

Sim. O Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP, Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização) alterou suas recomendações em 12 de maio de 2021. Agora você pode receber a vacina contra a COVID-19 ao mesmo tempo que recebe outras vacinas.

Você não precisa agendar as vacinas escolares obrigatórias (apenas em inglês) do seu filho ou outras vacinas recomendadas separadamente da vacinação contra a COVID-19. Um agendamento da vacinação contra a COVID-19 é mais uma oportunidade para deixar seu filho em dia com todas as vacinas recomendadas.

O que é um cartão de registro de vacinação?

Você deverá receber um cartão de vacinação em papel quando receber sua primeira dose da vacina contra a COVID-19. Este cartão informará qual tipo de vacina você tomou (Comirnaty/Pfizer-BioNTech, Spikevax/Moderna ou Johnson & Johnson) e a data em que a recebeu.

Se você recebeu a vacina da Comirnaty/Pfizer-BioNTech ou Spikevax/Moderna, seu provedor deverá agendar sua segunda dose quando você receber a primeira dose. Mantenha este cartão com você para que o provedor da vacina possa preenchê-lo após a segunda dose.

Se você receber uma dose adicional ou uma dose de reforço, também deve levar o seu cartão ao posto de vacinação. Seu provedor de vacinas registrará a dose.

Seguem algumas dicas úteis para ter em mente ao manusear seu cartão de vacinação:

  • Guarde o seu cartão de vacinação entre as doses e depois delas.
  • Tire uma foto da frente e outra do verso do seu cartão para ter uma cópia digital sempre à mão.
  • Envie-a para o seu próprio e-mail, crie um álbum ou adicione uma tag a ela para que você possa encontrá-la novamente com facilidade.
  • Faça uma fotocópia se quiser levá-la com você.

Você ainda poderá receber a segunda dose, mesmo se não levar o cartão ao posto de vacinação. Peça ao seu provedor para pesquisar o tipo (marca) da vacina que você recebeu na primeira dose para garantir que receberá o mesmo tipo novamente. Se você perder o seu cartão de vacinação, faça login no MyIR (My Immunization Registry - Meu Registro de Imunização) (apenas em inglês) para consultar seu registro de vacinação contra a COVID-19 e, em seguida, faça uma captura de tela ou tire uma foto das informações. Se você não possui uma conta, será possível se registrar no MyIR a qualquer momento.

Lembre-se de que a verificação de seus registros através do MyIR pode não ser imediata e o acesso está atualmente limitado apenas ao idioma inglês. A assistência telefônica em tempo real está disponível para ajudar com questões sobre o MyIRmobile ou o registro de vacinação. Basta ligar para a linha direta de informações sobre a COVID-19 do Department of Health (Departamento de Saúde) no 833-VAX-HELP ou entrar em contato pelo e-mail: waiisrecords@doh.wa.gov.

Segurança e eficácia

Por que devo tomar a vacina contra a COVID-19?

A escolha de tomar a vacina contra a COVID-19 é totalmente sua, mas precisamos do maior número possível de pessoas vacinadas para acabar com essa pandemia. É mais difícil para o vírus da COVID-19 se espalhar quando muitas pessoas de uma comunidade estão imunes por meio da vacinação ou de uma infecção recente. Quanto maior a taxa de vacinação, menor a taxa de infecção.

As vacinas contra a COVID-19 podem proteger você de várias formas:

  • Elas funcionam bem na prevenção da COVID-19;
  • Elas reduzem consideravelmente suas chances de ficar gravemente doente se você contrair a COVID-19;
  • Com a vacinação completa, suas chances de hospitalização são reduzidas, assim como o risco de falecimento por COVID-19;
  • A vacinação aumenta o número de pessoas na comunidade que estão protegidas, dificultando a disseminação da doença;
  • Os especialistas continuam estudando a capacidade da vacina de impedir a transmissão do vírus de uma pessoa para outra.

Uma vez concluída sua vacinação, você ainda poderá contrair a COVID-19, mas a probabilidade de que isso aconteça será muito menor. Nos ensaios clínicos, cada uma das vacinas tinha pelo menos 85% de eficácia na prevenção de casos graves da COVID-19. As vacinas também evitaram que muitas pessoas desenvolvessem qualquer sintoma da COVID-19:

  • 74% Johnson & Johnson (Janssen)
  • 95% Pfizer-BioNTech
  • 94% Moderna

Quem ainda não está vacinado pode contrair o vírus e espalhá-lo para outros. Algumas pessoas não podem tomar a vacina por razões médicas, o que as deixa vulneráveis à COVID-19. Se não estiver vacinado, você também corre maior risco de ser hospitalizado ou morrer devido a uma variante da COVID-19 (apenas em inglês).Ser vacinado ajuda a proteger você e sua família, seus vizinhos e sua comunidade.

Por que devo tomar a vacina contra a COVID-19 se a maioria das pessoas sobrevivem à doença?

A morte não é o único risco ao contrair a COVID-19. Muitas pessoas que contraem a COVID-19 têm apenas sintomas leves. No entanto, o vírus é extremamente imprevisível, e sabemos que algumas variantes da COVID-19 (apenas em inglês) são mais propensas a complicações. Algumas pessoas podem ficar muito doentes ou morrer por recorrência da COVID-19, mesmo jovens sem problemas crônicos de saúde. Outros, que têm a chamada "COVID longa" podem ter sintomas que duram meses e afetam a sua qualidade de vida. Ainda não sabemos também todos os efeitos a longo prazo da COVID-19, por ser um vírus novo. Ser vacinado é a nossa melhor proteção contra o vírus. Mesmo sendo jovem e saudável, você deverá ser vacinado contra a COVID-19.

O que é uma variante da COVID-19?

Os vírus sofrem mutação (mudam) à medida que se espalham de pessoa para pessoa. Uma "variante" é uma cepa mutada do vírus. Algumas variantes desaparecem com o tempo e algumas continuam a se espalhar nas comunidades.

O Centers for Disease Control and Prevention (CDC) (apenas em inglês) identifica as variantes do vírus que são preocupantes. Atualmente, muitas variantes são preocupantes porque se espalham mais rápida e facilmente, causando mais infecções pela COVID-19.

A vacina contra a COVID-19 funciona contra cepas variantes?

A vacinação ajuda a diminuir a disseminação do vírus e reduz a transmissão de cepas variantes. Ela também oferece forte proteção contra hospitalização e morte envolvendo todas as variantes conhecidas do vírus.

Algumas pessoas vacinadas ainda podem ser infectadas com uma cepa variante, mas pesquisas mostram que elas tendem a apresentar sintomas leves. Se você receber uma vacina que requer duas doses, será importante receber as duas doses para que você tenha proteção máxima contra as variantes.

A vacinação é a melhor maneira de proteger você, seus entes queridos e sua comunidade. A alta cobertura da vacinação reduzirá a disseminação do vírus e ajudará a prevenir o surgimento de novas variantes do vírus.

Como sabemos se as vacinas são seguras?

Os cientistas estão usando o conhecimento científico de pesquisa de uma década sobre vacinas para ajudar a desenvolver as vacinas contra a COVID-19. E, como estamos no meio de uma pandemia, o desenvolvimento de uma nova vacina pode acontecer mais rápido do que o normal. Nenhuma etapa está sendo ignorada, mas algumas estão ocorrendo ao mesmo tempo, como aplicações, testes e fabricação.

Cada candidato a receber a vacina é submetido a diversos ensaios clínicos. Primeiro, com um pequeno grupo de voluntários. Em seguida, com algumas centenas de voluntários e, depois, com milhares. Após os ensaios clínicos, os especialistas analisam os resultados e qualquer efeito adverso. Se a vacina funcionar e for segura, ela é aprovada para distribuição ao público.

O que está acontecendo com a vacina da Johnson & Johnson?

Desde dezembro de 2021, o Washington State Department of Health (DOH, Departamento de Saúde do Estado de Washington) recomenda que você escolha tomar uma vacina de mRNA contra a COVID-19 (Pfizer-BioNTech ou Moderna) ao invés da vacina de dose única da Johnson & Johnson (J&J).

Esta atualização segue a orientação do Centers for Disease Control and Prevention (CDC, Centro de Controle e Prevenção de Doenças) após novos dados apresentarem duas condições raras adquiridas com a vacina da J&J.

  • Thrombosis and thrombocytopenia syndrome (TTS): A thrombosis and thrombocytopenia syndrome (TTS, síndrome de trombose com trombocitopenia) é uma condição rara, porém grave, que está associada a coágulos sanguíneos e baixa contagem de plaquetas em algumas pessoas que receberam a vacina da J&J. No entanto, o risco é raro. Nos Estados Unidos, houve 54 casos de TTS em cerca de 14 milhões de doses administradas da vacina.
  • Guillain-Barré Syndrome (GBS): A Guillain-Barré Syndrome (GBS, Síndrome de Guillain-Barré) é um distúrbio neurológico no qual o sistema imunológico do corpo danifica as células nervosas, causando fraqueza muscular e, em alguns casos, paralisia. O risco de GBS também é muito raro. Desde julho de 2021, houve 100 relatórios preliminares de GBS após a vacinação com a J&J, de aproximadamente 12,5 milhões de doses administradas. 

Essas condições estão associadas apenas à vacina contra a COVID-19 da J&J, não às vacinas da Pfizer ou da Moderna. Para as pessoas que estão atualmente buscando a vacinação contra a COVID-19, o DOH recomenda as vacinas da Moderna e da Pfizer. No entanto, a vacina da J&J ainda está disponível caso você não consiga ou não esteja disposto a tomar as outras vacinas. Entre em contato com o seu provedor de assistência médica para falar sobre as suas opções.

Se você recebeu a vacina contra a COVID-19 da J&J nas últimas três semanas ou planeja tomar a vacina contra a COVID-19 da J&J, conheça os sinais de alerta de um tipo de coágulo sanguíneo causado pela TTS. Eles incluem dor de cabeça severa, dor abdominal, dores nas pernas e/ou falta de ar. Caso você apresente um desses sintomas, procure atendimento médico imediatamente.

É normal apresentar sintomas leves a moderados, incluindo febre, dor de cabeça, fadiga e dores musculares ou nas articulações, durante a primeira semana após tomar a vacina contra a COVID-19. Esses efeitos colaterais geralmente se apresentam três dias após a administração da vacina e devem durar apenas alguns dias.

O que significa quando uma vacina é aprovada pela FDA?

Para aprovação completa, a FDA analisa os dados por um período mais longo do que para uma autorização para uso emergencial. Para que uma vacina receba a aprovação completa, os dados devem mostrar um alto nível de segurança, eficácia e controle de qualidade na produção da vacina.

Uma autorização para uso emergencial (EUA) permite que a FDA disponibilize um produto durante um estado de emergência declarado antes que ele tenha uma licença completa. O objetivo da EUA é garantir que as pessoas possam receber as vacinas que salvam vidas antes de uma análise de dados de longo prazo. No entanto, a EUA ainda requer uma revisão bastante completa dos dados clínicos referentes a um período de tempo mais curto. Qualquer EUA concedida pela FDA é examinada pelo Scientific Safety Review Workgroup (Grupo de Trabalho de Revisão de Segurança Científica), como parte do Western States Pact (Pacto dos Estados do Oeste) (apenas em inglês).

O que é o Western States Pact?

Em outubro de 2020, Washington juntou-se ao Oregon, Nevada, Colorado e Califórnia para formar o Grupo de Trabalho de Revisão de Segurança Científica dos Estados do Oeste (Pacto dos Estados do Oeste) para revisar a segurança e eficácia das vacinas contra a COVID-19 após serem autorizadas pela FDA. Este grupo de trabalho fornece mais um nível de revisão de especialistas com relação à segurança da vacina.

O conselho inclui especialistas nomeados por todos os estados-membros e cientistas reconhecidos nacionalmente com experiência em imunização e saúde pública. Quando a FDA autoriza uma vacina para uso emergencial, o conselho analisa todos os dados disponíveis publicamente de forma simultânea com as revisões federais e apresenta um relatório. Esse processo ocorreu para as três vacinas que temos atualmente disponíveis no estado de Washington e acontecerá para todas as vacinas contra a COVID-19 que receberem uma Emergency Use Authorization (EUA) no futuro. Leia as descobertas do Western States Scientific Safety Review Workgroup:

Como funcionará uma vacina contra a COVID-19 em meu corpo?

Assista a este vídeo sobre como as vacinas funcionam no seu organismo (apenas em inglês).

Vacinas de mRNA (vacinas contra COVID-19 da Pfizer e Moderna)

Duas das vacinas disponíveis são chamadas de vacinas de RNA mensageiro (mRNA).

As vacinas de mRNA ensinam suas células a produzir uma proteína spike inofensiva do coronavírus. Seu sistema imunológico identifica que a proteína não pertence ao seu organismo que, então, começa a produzir anticorpos. Esses anticorpos se lembrarão de como combater a COVID-19 se você for infectado no futuro. Ao ser vacinado, seu corpo cria a imunidade contra a COVID-19 sem precisar contrair a doença. Após a sua ação, o mRNA se decompõe rapidamente e o organismo o elimina em poucos dias.

Vacinas de vetores virais (vacina contra a COVID-19 da Johnson & Johnson)

Uma das vacinas contra a COVID-19 é chamada de vacina de vetor viral.

As vacinas de vetor são desenvolvidas com uma versão enfraquecida de um vírus (um vírus diferente daquele que causa a COVID-19). Essas vacinas ensinam suas células a produzir uma proteína spike inofensiva do coronavírus. Seu sistema imunológico identifica que a proteína não pertence ao seu organismo que, então, começa a produzir anticorpos. Seu organismo aprende a proteger você contra futuras infecções causadas pela COVID-19, sem que você desenvolva a doença.

A vacina de vetor existente é de uma dose. Normalmente, após a administração da vacina, seu organismo levará cerca de duas semanas para apresentar proteção máxima.

Ocasionalmente, a vacinação poderá causar febre leve ou sintomas similares aos da gripe, mas que não são prejudiciais.

Para obter mais informações, consulte estes recursos: Panorama geral das vacinas contra a COVID-19 e Vacinas contra a COVID-19: O que você deve saber.

Quando um número suficiente de pessoas em uma comunidade conseguir resistir ao coronavírus, ele não terá mais para onde ir. Isso significa que será possível interromper a disseminação mais rapidamente e chegarmos um pouco mais perto de acabar com a pandemia.

Como as vacinas contra a COVID-19 são desenvolvidas?

Este breve vídeo explica como as vacinas contra a COVID são desenvolvidas (apenas em inglês).

O que é uma vacina de mRNA?

Uma vacina de RNA mensageiro, ou mRNA, é um novo tipo de vacina. As vacinas de mRNA ensinam suas células a produzirem um pedaço inofensivo da "proteína spike". A proteína spike é observada na superfície do coronavírus. Seu sistema imunológico identifica que a proteína não pertence ao local e seu organismo começa a criar uma resposta imunológica e a produzir anticorpos. Isso é semelhante ao que acontece quando pegamos “naturalmente” uma infecção causada pela COVID-19. Após a sua ação, o mRNA se decompõe rapidamente e o organismo o elimina em poucos dias.

Embora o mRNA já tenha sido usado para outros tipos de cuidados médicos e veterinários no passado, o desenvolvimento de vacinas usando esse método é um grande avanço para a ciência, o que significa que futuras vacinas poderão ser produzidas com mais facilidade.

Você pode ler mais sobre como as vacinas de mRNA funcionam no site do CDC (apenas em inglês).

O que é uma vacina de vetor viral?

Este tipo de vacina usa uma versão enfraquecida de um vírus diferente (o “vetor”) que fornece instruções às células. O vetor se insere em uma célula e usa a maquinaria celular para produzir uma proteína spike inofensiva da COVID-19. A célula exibe a proteína spike em sua superfície e seu sistema imunológico identifica que ela não pertence ao seu corpo. Seu sistema imunológico começará a produzir anticorpos e ativar outras células imunológicas para combater o que ele identifica como uma infecção. Seu organismo aprende a proteger você contra futuras infecções causadas pela COVID-19, sem que você desenvolva a doença.

Quais são os componentes das vacinas?

Os componentes das vacinas contra a COVID-19 são bastante comuns nas vacinas em geral. Eles contêm a substância ativa do mRNA ou do adenovírus modificado, juntamente com outros componentes, como gordura, sais e açúcares, que protegem o componente ativo, ajudando-o a funcionar melhor no organismo e protegendo a vacina durante o armazenamento e transporte.

As vacinas da Pfizer, Moderna e Johnson e Johnson não contêm células humanas (incluindo células fetais), o vírus da COVID-19, látex, conservantes ou qualquer subproduto de origem animal, inclusive produtos suínos ou gelatina. As vacinas não são desenvolvidas em ovos e não contêm produtos derivados de ovos.

Consulte esta página da internet do Children's Hospital of Philadelphia com perguntas e respostas (apenas em inglês) para saber mais informações sobre os componentes. Você pode encontrar a lista completa de componentes nas fichas técnicas dos laboratórios da Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson.

A vacina da Johnson & Johnson contém tecido fetal?

A vacina da Johnson & Johnson contra a COVID-19 foi desenvolvida usando a mesma tecnologia que muitas outras vacinas. Ela não contém partes de fetos ou células fetais. Uma parte da vacina é composta por cópias de células produzidas em laboratório que originalmente vieram de abortos seletivos ocorridos há mais de 35 anos. Desde então, as linhas celulares para essas vacinas foram preservadas em laboratório e nenhuma outra fonte de células fetais é usada para produzir essas vacinas. Esta pode ser uma informação nova para algumas pessoas. No entanto, as vacinas para catapora, rubéola e hepatite A são produzidas da mesma forma.

A vacina contra a COVID-19 causa infertilidade?

Não há provas científicas de que as vacinas causem infertilidade ou impotência. Quando a vacina entra no seu organismo, ela atua no seu sistema imunológico, criando anticorpos para combater o coronavírus. Este processo não interfere com os seus órgãos reprodutivos.

O Centers for Disease Control and Prevention (CDC) (apenas em inglês), o American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) (apenas em inglês) e a Society for Maternal-Fetal Medicine (SMFM) (apenas em inglês) recomendam a vacina contra a COVID-19 para mulheres grávidas, em amamentação ou que planejam engravidar. Muitas pessoas que foram vacinadas contra a COVID-19 desde então, engravidaram ou deram à luz a bebês saudáveis.

Atualmente, nenhuma evidência mostra que as vacinas, incluindo as vacinas contra a COVID-19, causem problemas de fertilidade masculina. Um pequeno estudo recente com 45 homens saudáveis (apenas em inglês) que receberam uma vacina de mRNA contra a COVID-19 (ou seja, a Pfizer-BioNTech ou a Moderna) analisou as características dos espermatozoides, como a quantidade e o movimento, antes e depois da vacinação. Os pesquisadores não encontraram alterações significativas nas características desses espermas após a vacinação.

A febre causada pela doença tem sido associada à diminuição de curto prazo na produção de espermatozoides em homens saudáveis. Embora a febre possa ser um efeito colateral temporário da vacinação contra a COVID-19, não há evidências atuais que tal sintoma afete a produção de esperma.

Consulte as informações do CDC sobre as vacinas contra a COVID-19 para as pessoas que pretendem ter um bebê (apenas em inglês) para saber mais sobre o assunto. Você também pode consultar a página da internet do CDC sobre as vacinas contra a COVID-19 (apenas em inglês) para saber fatos sobre as vacinas.

Quais tipos de sintomas são normais após receber a vacina?

Vacina contra a COVID-19 da Pfizer/Comirnaty, Moderna/Spikevax e Johnson & Johnson – Janssen

Como em qualquer outra vacina, entre os efeitos colaterais mais comuns estão dor no braço, fadiga, dor de cabeça e dores musculares.

Esses sintomas são um sinal de que a vacina está fazendo efeito. Nos testes da Pfizer e Moderna, esses efeitos colaterais ocorreram mais frequentemente no prazo de dois dias após a aplicação da vacina e duraram aproximadamente um dia. Os efeitos colaterais foram mais comuns após a segunda dose do que a primeira. Nos ensaios clínicos da Johnson & Johnson, os efeitos colaterais duraram em média de um a dois dias.

Para todas as três vacinas, a taxa de relato de pessoas com mais de 55 anos de idade foi menor com relação aos efeitos colaterais comparando-se com as pessoas mais jovens.

Os ensaios clínicos descobriram que aproximadamente:

Pfizer/Comirnaty

  • 80% das pessoas relataram dor no local da aplicação da injeção.
  • 50% das pessoas relataram fadiga e dor de cabeça.
  • 30% das pessoas relataram dores musculares.

Moderna/Spikevax

  • 90% das pessoas relataram dor no local da aplicação da injeção.
  • 70% das pessoas relataram fadiga e dor de cabeça.
  • 60% das pessoas relataram dores musculares.

Johnson & Johnson

  • 60% das pessoas relataram dor no local da aplicação da injeção.
  • 40% das pessoas relataram fadiga e dor de cabeça.
  • 40% das pessoas relataram dores musculares.

Você pode ver alguns rumores sobre efeitos colaterais falsos na internet ou nas redes sociais. Sempre que vir uma reclamação relacionada a um efeito colateral, verifique a fonte.

O que acontece se eu ficar doente após receber a vacina contra a COVID-19?

Como acontece com outras vacinas de rotina, os efeitos colaterais da vacina contra a COVID-19 geralmente são: dor no braço, febre, dores de cabeça ou fadiga após a vacinação. Isso indica que a vacina está fazendo efeito.

Se tiver sintomas após receber a vacina, verifique se é seguro trabalhar ou realizar suas tarefas com segurança. Os empregadores podem se perguntar se é seguro para um membro da equipe retornar ao trabalho. Leva aproximadamente 2 semanas após a administração da série de vacinas (duas doses da Pfizer ou Moderna ou uma dose da Johnson & Johnson) para que você esteja totalmente protegido. Portanto, você ainda poderá contrair a COVID-19 caso seja exposto antes deste período. Também é importante lembrar que o sistema imunológico de cada pessoa funciona de maneira um pouco diferente, além disso, a vacina não funciona para aproximadamente 1 em 2.500 pessoas que são vacinadas.

Este gráfico (PDF) ajuda você a entender se está apresentando reação à vacina ou se precisa fazer o teste de COVID-19 e se isolar. Caso apresente sintomas de categoria intermediária, você poderá procurar atendimento médico ou observar caso haja progressão dos sintomas. Se os seus sintomas desaparecerem em um ou dois dias, poderá ter sido apenas uma reação à vacina. Se continuarem ou se você sentir que deve, consulte um médico. Se houver a possibilidade de você estar com a COVID-19 ou ter sido exposto, fique longe de outras pessoas por precaução. Se houver uma emergência médica após receber a vacina contra a COVID-19, ligue para 9-1-1 imediatamente.

Se ficar doente após receber a vacina, você deverá relatar o evento adverso ao Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS, Sistema de Notificação de Eventos Adversos da Vacina) (apenas em inglês). Um “evento adverso” é qualquer problema de saúde ou efeito colateral que ocorre após a vacinação. Para obter mais informações sobre o VAERS, consulte "O que é o VAERS?" abaixo.

O que é o VAERS?

VAERS é um sistema de alerta precoce coordenado pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC) e pela Food and Drug Administration (FDA). O VAERS pode ajudar a detectar problemas que podem estar relacionados a uma vacina.

Qualquer pessoa (prestador de serviços de saúde, paciente, cuidador) pode informar possíveis reações adversas ao VAERS (apenas em inglês).

Existem limites para o sistema. Um relatório do VAERS não significa que a vacina causou a reação ou o desfecho. É apenas um indicativo de que a vacinação aconteceu primeiro.

O VAERS foi desenvolvido para ajudar os cientistas a identificar as tendências ou razões pelas quais eles deveriam investigar um possível problema. Não é uma lista de desfechos verificados da vacinação.

Ao informar o VAERS, você ajudará o CDC e a FDA a identificar possíveis problemas de saúde e se certificar de que as vacinas são seguras. Se surgir algum problema, eles tomarão as medidas adequadas e notificarão os prestadores de serviços de saúde sobre os possíveis problemas.

Posso receber a vacina contra a COVID-19 se tiver tido COVID-19?

Sim, o Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP, Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização) recomenda que as pessoas que já tiveram a COVID-19 sejam vacinadas.

Os dados mostram que é raro ser reinfectado com a COVID-19 nos 90 dias após você ter ficado doente. Portanto, você pode ter desenvolvido alguma proteção (chamada de imunidade natural). No entanto, não sabemos quanto tempo a imunidade natural poderá durar.

As pessoas atualmente com COVID-19 devem aguardar para receber a vacina até que se sintam melhor e que seu período de isolamento tenha terminado.

As pessoas que foram expostas à COVID-19 recentemente também devem aguardar para receber a vacina até após seu período de quarentena, se puderem fazer a quarentena com segurança longe de outras pessoas. Se houver um alto risco de infectarem outras pessoas, elas poderão ser vacinadas durante o período de quarentena para evitar a disseminação da doença.

Para obter os documentos específicos com as orientações sobre o isolamento e a quarentena, consulte a guia Quarentena e isolamento da nossa página da internet Recursos e recomendações sobre a COVID-19 (apenas em inglês).

Posso receber a vacina contra a COVID-19 se já tiver apresentado uma reação alérgica a uma vacina no passado?

A vacina não deve ser administrada em pessoas com histórico conhecido de reação alérgica grave, como anafilaxia, a uma dose anterior de uma vacina de mRNA ou de vetor viral, ou a qualquer componente das vacinas contra a COVID-19 da Pfizer-BioNTech/Comirnaty, Moderna//Spikevax ou Johnson & Johnson–Janssen.

As pessoas que apresentaram uma reação alérgica grave a outras vacinas ou terapias injetáveis ainda assim podem receber a vacina. No entanto, os provedores devem fazer uma avaliação de risco e aconselhá-los sobre os possíveis riscos. Se o paciente decidir ser vacinado, o provedor deverá observá-lo por 30 minutos para monitorar quaisquer reações imediatas.

O Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP) recomenda que os provedores observem todos os outros pacientes por pelo menos 15 minutos após receberem a vacina para monitorar caso haja uma reação alérgica. Consulte as considerações clínicas provisórias para as vacinas de mRNA do ACIP (apenas em inglês) para saber mais informações.

Requisitos da vacina

A vacina contra a COVID-19 é obrigatória?

A decisão de receber a vacina contra a COVID-19 será sua, mas alguns empregadores, faculdades e universidades exigem.

Atualmente Washington exige a vacina contra a COVID-19 para:

Esses funcionários devem estar totalmente vacinados contra a COVID-19 (pelo menos duas semanas após o término da série de vacinas) até 18 de outubro de 2021. O requisito inclui contratados, voluntários e outras funções que trabalhem nesses locais.

Se você estiver em um desses grupos ou se seu empregador ou escola exigir a vacinação contra a COVID-19, converse com seu departamento de recursos humanos, empregador ou escola para saber como proceder. O Departamento de Saúde não está envolvido na política adotada pelo empregador ou pela faculdade/universidade.

A vacina ajudará a proteger você e outras pessoas do seu convívio contra a COVID-19, além disso, encorajamos você a conversar com seu médico ou sua clínica sobre os benefícios da vacina.

Meu filho precisa receber a vacina contra a COVID-19 para frequentar a creche ou a escola de ensino fundamental e médio?

Não. Atualmente, em Washington, a vacina contra a COVID-19 não é obrigatória para crianças que frequentam creches ou escolas de ensino fundamental e médio. Consulte nossa página de imunizações (apenas em inglês) para saber mais informações sobre os requisitos atuais.

Se seu filho não foi vacinado contra a COVID-19, você não precisará de um atestado de isenção, pois a vacina não é obrigatória. O Washington State Board of Health (Conselho Estadual de Saúde de Washington) determina quais vacinas são requisitadas para as creches e escolas.

Qual é o requisito da vacina contra a COVID-19 para funcionários do ensino fundamental e médio?

Em 18 de agosto de 2021, o Governador Inslee anunciou uma diretiva requisitando que todos os funcionários de escolas públicas e privadas do ensino fundamental e médio sejam totalmente vacinados contra a COVID-19 ou consigam um atestado religioso ou médico até 18 de outubro de 2021.

A solicitação se aplica a todos os funcionários em ambientes educacionais (apenas em inglês), incluindo:

  • Funcionários e contratados que trabalham em distritos escolares privados e públicos de ensino fundamental e médio, escolas conveniadas e distritos de serviços educacionais (a solicitação não se aplica às escolas tribais reconhecidas pelo estado nem aos alunos);
  • Cuidadores de creches e educadores responsáveis pela aprendizagem precoce que atendem crianças de várias famílias; e
  • Funcionários de ensino superior.

Para saber mais informações, consulte Requisito de vacinação contra a COVID-19 para funcionários de escola do ensino fundamental e médio: perguntas frequentes (PDF) (apenas em inglês) (Escritório do Superintendente de Instrução Pública).

Como consigo um atestado de isenção dos requisitos relacionados à vacina?

Se seu empregador ou sua faculdade/universidade exigir a vacina contra a COVID-19, ou se você for obrigado ser vacinado segundo a proclamação de 9 de agosto (apenas em inglês) ou a proclamação de 18 de agosto (apenas em inglês) do Governador Jay Inslee, você deverá entrar em contato com seu empregador ou sua faculdade/universidade para descobrir como eles aceitam o comprovante de vacinação. Se eles têm uma política de cancelamento e como você precisa proceder. O Departamento de Saúde não está envolvido na política adotada pelo empregador ou pela faculdade/universidade.

Você não precisa conseguir um formulário de isenção do Department of Health (DOH, Departamento de Saúde) referente à vacina contra a COVID-19. O DOH não possui formulários de isenção para a vacina contra a COVID-19. O Certificate of Exemption (COE, Atestado de Isenção) do estado de Washington é apenas para os pais/responsáveis que desejam isentar seus filhos das imunizações exigidas para crianças em creches, pré-escolas ou escolas de ensino fundamental e médio. Atualmente, em Washington, a vacina contra a COVID-19 não é obrigatória para crianças que frequentam creches ou escolas, por isso essa informação não está incluída no COE.

Escola e creches

Pessoas menores de 18 anos de idade podem receber a vacina?

Sim. Jovens de cinco anos de idade ou mais podem receber a vacina da Pfizer-BioNTech. Jovens menores de 17 anos de idade precisam do consentimento de um dos pais ou responsável (apenas em inglês) para receber a vacina, a menos que sejam legalmente emancipados. Visite a página Vaccinating Youth (Vacinação para os jovens) na internet para obter mais informações.

Verifique quais são os requisitos na clínica de vacinação para apresentar o comprovante de consentimento dos pais ou a emancipação legal.

O estado exigirá a vacinação contra a COVID-19 para a admissão nas escolas de ensino fundamental e médio?

O State Board of Health (Conselho Estadual de Saúde), não o Department of Health, tem autoridade para elaborar requisitos de imunização para crianças em escolas de ensino fundamental e médio (Revised Code of Washington [RCW, Código Revisado de Washington] 28A.210.140).

O Conselho e o Department of Health do estado juntos irão organizar um Technical Advisory Group (Grupo Técnico Consultivo). O grupo consultivo discutirá se uma vacina contra a
COVID-19 deve ser considerada em relação aos critérios do Conselho e se uma recomendação deve ser feita sobre sua inclusão na lista de imunizações exigidas pelo estado para o ingresso na escola. O Conselho planeja realizar um briefing sobre o andamento do grupo consultivo em sua reunião pública em janeiro de 2022.

Meu filho pode receber outras imunizações juntamente com a vacina contra a COVID-19?

Agora as pessoas podem receber a vacina contra a COVID-19 no prazo de 14 dias de outras vacinas, inclusive no mesmo dia.

Haverá alguma flexibilidade nos requisitos de imunização escolar para o ano letivo de 2021-2022 devido à pandemia da COVID-19?

O Conselho Estadual de Saúde determina a necessidade de fazer alguma alteração nos requisitos de imunização escolar. Neste ponto, os requisitos de imunização escolar permanecerão os mesmos. As crianças precisarão atender aos requisitos de vacinação antes de voltarem às aulas.

Vida após a vacina

O que significa ser totalmente vacinado?

Você é considerado totalmente vacinado contra a COVID-19 duas semanas após receber sua segunda dose, de uma série de duas doses (Pfizer-BioNTech ou Moderna), ou duas semanas após receber uma vacina de dose única (Johnson e Johnson (J&J)/Janssen).

O que devo fazer agora que estou totalmente vacinado?

Após estar totalmente vacinado, você:

Para saber mais informações, assista este vídeo: O que esperar após receber a vacina contra a COVID-19?.

Se eu estiver totalmente vacinado contra a COVID-19, ainda preciso adotar outras precauções?

Sim. Mesmo que esteja totalmente vacinado, você deverá usar máscara em ambientes fechados públicos. As vacinas contra a COVID-19 funcionam bem, mas não são 100% eficazes. Algumas pessoas podem contrair a COVID-19 mesmo que tenham sido vacinadas. Com o surgimento de variantes mais transmissíveis, é importante que todas as pessoas adotem precauções, como o uso de máscaras, para reduzir a transmissão do vírus.

Mesmo se você estiver totalmente vacinado, você ainda deve:

  • Usar uma máscara bem ajustada em todos os ambientes internos públicos;
  • Lavar as mãos com frequência;
  • Respeitar as regras do local em que você se encontra;
  • Fazer o teste (apenas em inglês) caso apresente sintomas característicos da COVID-19;
  • Siga as recomendações de viagens (apenas em inglês) do CDC e do departamento de saúde;
  • Baixe o WA Notify (WA Noktify) em seu smartphone para alertá-lo caso tenha sido exposto à COVID-19 e também alertar anonimamente outras pessoas se você testou positivo. O WA Notify é totalmente privado. Além disso, a ferramenta não sabe nem rastreia quem você é ou para onde vai.

Leia o documento Orientação sobre proteção para o rosto e máscaras (apenas em inglês). Para saber mais informações sobre o teste de detecção da COVID-19 ou para ter acesso aos documentos específicos de orientação, consulte as Informações sobre os testes (PDF) (apenas em inglês).

Ainda é necessário usar máscara em público?

As máscaras são necessárias para todas as pessoas com mais de 2 anos de idade em todos os ambientes públicos internos.

Pessoas não vacinadas ou parcialmente vacinadas devem continuar usando máscara e manter 6 pés (2 metros) de distanciamento em todos os ambientes públicos.

Se eu for exposto à COVID-19 e estiver totalmente vacinado, preciso ficar em quarentena?

Não, se você estiver totalmente vacinado, não precisa ficar em quarentena ou ser testado se for exposto a alguém com COVID-19, desde que não apresente sinais da doença. No entanto, você ainda deve observar os sintomas relacionados à COVID-19 por 14 dias após a exposição.

Se você começar a apresentar sintomas, isole-se e entre em contato com seu provedor de serviços de saúde. Informe-os de que você foi vacinado antes de solicitar o teste ou a avaliação.

Pessoas vacinadas e não vacinadas de diferentes residências podem se visitar?

Depende. Se uma das residências tiver pessoas com alto risco de desenvolver a forma grave da doença (apenas em inglês), você deverá fazer a visita em áreas externas ou internas com as janelas abertas, usar a máscara bem ajustada e manter o distanciamento físico (pelo menos 6 pés/2 metros).

Se não houver indivíduos com alto risco em nenhum dos domicílios, fazer a visita em áreas externas ou em ambientes internos privados sem o uso da máscara apresenta baixo risco de disseminação da COVID-19.

E se somente algumas pessoas em minha residência estiverem totalmente vacinadas?

Se apenas algumas pessoas em sua residência estiverem totalmente vacinadas, você deverá adotar as mesmas precauções recomendadas para as pessoas que não foram vacinadas. Ou seja, você deve usar máscara e permanecer a 6 pés (2 metros) de distância ao visitar pessoas de outras residências que foram parcialmente vacinadas ou não chegaram a ser vacinadas, além disso, evite essas aglomerações, se possível.

Você pode visitar uma residência com pessoas totalmente vacinadas, desde que ninguém em sua residência esteja em risco de desenvolver a forma grave da doença.

Posso me reunir com um grupo grande se formos todos vacinados?

As aglomerações entre pessoas totalmente vacinadas são seguras. O DOH recomenda que todas as pessoas, independentemente do status de vacinação, usem máscaras em qualquer ambiente externo lotado, quando não for viável manter o distanciamento adequado de outras pessoas fora de sua residência. A máscara é necessária em eventos ao ar livre ou aglomerações com 500 ou mais pessoas.

Se a aglomeração for em um espaço público interno, todas as pessoas acima de 5 anos de idade deverão usar máscaras, independentemente do status de vacinação. Crianças menores de dois anos de idade não devem usar máscaras devido ao risco de asfixia. Recomenda-se que crianças de dois, três ou quatro anos de idade, com a ajuda e supervisão de um adulto, usem máscara sempre em locais públicos, quando estiverem perto de pessoas que não sejam da mesma residência.

Após ser vacinado, posso retomar as atividades públicas, como comer em um restaurante?

O risco de infecção pela COVID-19 durante atividades sociais públicas, como jantar em um restaurante ou ir à academia, é menor para pessoas totalmente vacinadas. Pessoas totalmente vacinadas podem se reunir sem máscaras ou com o distanciamento físico recomendado em alguns ambientes. O DOH recomenda o uso de máscaras para todas as pessoas, independentemente do status de vacinação, em áreas lotadas ou com grandes aglomerações, além disso, as máscaras são necessárias para todos com mais de 5 anos de idade em espaços internos.

As pessoas não vacinadas ou parcialmente vacinadas devem continuar usando máscara e manter 6 pés (2 metros) de distanciamento em todos os ambientes públicos ou ao fazer uma visita.

Precisarei apresentar o comprovante de vacinação?

Alguns condados podem exigir o comprovante de vacinação para ter acesso a determinados estabelecimentos. Consulte o departamento de saúde do seu condado para saber mais.

Algumas empresas exigem que você apresente um comprovante de vacinação e muitas delas oferecem benefícios para as pessoas vacinadas. Alguns condados podem exigir o comprovante de vacinação também para ter acesso a determinados estabelecimentos. Consulte o departamento de saúde do seu condado para saber mais.

Cuide do seu cartão de vacinação assim como você cuida da sua certidão de nascimento ou de outro documento importante! Tire uma foto e guarde-a em casa. Leia mais sobre os cartões de vacinação e registros de imunização.

E se eu estiver parcialmente vacinado?

Para as vacinas de duas doses (Pfizer-BioNTech ou Moderna), você é considerado “parcialmente vacinado” se recebeu apenas uma dose ou se ainda não se passaram duas semanas desde a segunda dose. Para a vacina de dose única (Johnson e Johnson (J&J)/Janssen), você é considerado “parcialmente vacinado” se ainda não se passaram duas semanas desde que você recebeu a vacina.

Enquanto espera para ser totalmente vacinado, você deverá continuar adotando as precauções recomendadas como se não estivesse vacinado. Ou seja, você deve:

  • Usar máscara bem ajustada e manter 6 pés (2 metros) de distanciamento em todos os ambientes públicos;
  • Estar em pequenas aglomerações e ambientes externos ou internos com as janelas abertas;
  • Usar máscaras e manter 6 pés (2 metros) de distanciamento se estiver com outras pessoas que ainda não foram vacinadas;
  • Se ninguém em sua residência se encontrar em alto risco de desenvolver a forma grave da doença, você poderá visitar uma residência por vez em que as pessoas estejam totalmente vacinadas, sem a necessidade de usar máscara ou manter o distanciamento físico;
  • Faça o teste de detecção da COVID-19 se estiver apresentando sintomas ou souber que foi exposto a alguém com COVID-19;
  • Continue evitando viagens, a menos que seja necessário (apenas em inglês). Se for viajar, faça o teste de detecção da COVID-19 antes e depois da viagem e fique em quarentena por sete dias após a viagem.
Ainda posso ficar doente devido à infecção causada pela COVID-19 após ser vacinado?

É improvável, mas há um pequeno risco. As vacinas são muito eficazes, mas não são 100%. Se você apresentar os sintomas característicos da COVID-19 (apenas em inglês), você deverá manter o distanciamento das outras pessoas e entrar em contato com um prestador de serviço de saúde. Eles podem recomendar um teste de detecção da COVID-19.

Para saber mais informações sobre o teste de detecção da COVID-19, consulte as informações sobre os testes.

Posso espalhar a COVID-19 após ser vacinado?

As infecções acontecem em apenas uma pequena porcentagem de pessoas totalmente vacinadas, incluindo as variantes. No entanto, evidências iniciais sugerem (apenas em inglês) que pessoas totalmente vacinadas infectadas pela COVID-19 podem espalhar o vírus para outros.

Como posso controlar o estresse e a ansiedade relacionado à COVID-19?

Entendemos que a pandemia pode impactar a sua saúde física e mental. Não se sinta sozinho. Muitas pessoas em Washington estão lidando com o estresse e a ansiedade relacionados a problemas financeiros, de emprego, fechamento de escolas, isolamento social, preocupações com a saúde, tristeza, prejuízos etc. Isso inclui a ansiedade adicional relacionada ao retorno às atividades públicas.

Aqui estão alguns recursos que podem ajudar você a gerenciar seu estresse e sua ansiedade:

  • Ligue para o Washington Listens através do número 833-681-0211 para conseguir suporte e conhecer recursos sobre o estresse relacionado à COVID.
  • Se você estiver em crise:
  • Use o A Mindful State (apenas em inglês) para ouvir, aprender, compartilhar e conectar-se com seu bem-estar e sua saúde mental.
  • Acesse a nossa página Mental Health (apenas em inglês) para conhecer mais recursos.

Doses adicionais e de reforço da vacina

Qual é a diferença entre uma dose adicional e uma dose de reforço da vacina contra a COVID-19?

Uma dose adicional (também conhecida como terceira dose) é destinada a pessoas imunossuprimidas. Às vezes, as pessoas imunossuprimidas não desenvolvem proteção suficiente ao serem totalmente vacinadas. Quando isso acontece, outra dose da vacina poderá ajudá-las a estar mais protegidas contra a doença.

Um reforço trata-se de uma dose de uma vacina administrada a alguém que desenvolveu proteção suficiente após a vacinação, porém essa proteção diminuiu com o tempo (isso é chamado de imunidade em declínio). Esta é a razão pela qual você deve receber uma dose de reforço da vacina antitetânica a cada 10 anos, porque a proteção dessa série de vacinas administrada na sua infância diminui com o tempo.

Quem deverá tomar a dose adicional da vacina contra a COVID-19?

A U.S. Food and Drug Administration (FDA), o Advisory Committee on Immunizations Practices (ACIP, Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização) e o Western States Scientific Safety Review Workgroup (Grupo de Trabalho de Análises Científicas de Segurança dos Estados do Oeste) recomendam uma terceira dose da vacina para pessoas com imunossupressão de moderada a grave (apenas em inglês). Essas doses adicionais da vacina são oferecidas gratuitamente.

Se você tiver qualquer uma das seguintes condições médicas relacionadas à imunossupressão de moderada a grave, poderá se beneficiar de uma dose adicional da vacina contra a COVID-19. Isso inclui pessoas que:

  • Estão recebendo tratamento de câncer ativo para tumores ou cânceres de sangue;
  • Receberam um transplante de órgão e se encontram em terapia medicamentosa para suprimir o sistema imunológico;
  • Receberam um transplante de células-tronco nos últimos dois anos ou se encontram em terapia medicamentosa para suprimir o sistema imunológico;
  • Têm imunodeficiência primária moderada ou grave (como a síndrome de DiGeorge ou a síndrome de Wiskott-Aldrich);
  • Têm a infecção por HIV na forma avançada ou não tratada;
  • Encontram-se em tratamento ativo com corticosteroides em altas doses ou outros medicamentos que podem suprimir a resposta imunológica.

Embora as vacinas existentes sejam 90% eficazes contra a maioria das variantes do vírus, os estudos mostram que as pessoas imunossuprimidas nem sempre desenvolvem uma imunidade forte. A terceira dose não é considerada um reforço, mas uma dose adicional para aqueles que não desenvolveram imunidade adequada com a série de duas doses.

Se você recebeu uma vacina de mRNA (Moderna ou Pfizer) e é paciente com imunossupressão de moderada a grave:

  • Você deve receber a sua dose adicional pelo menos 28 dias após a sua segunda dose;
  • Se possível, você deve receber a mesma marca da vacina referente às duas primeiras doses. Se essa marca não estiver disponível, você poderá receber a outra vacina de mRNA;
  • Você também pode receber uma única dose de reforço contra a COVID-19 (Pfizer-BioNTech, Moderna ou Janssen) após receber sua terceira dose da vacina de mRNA. Você deverá receber sua dose de reforço 3 meses após a administração da terceira dose da Pfizer ou 3 meses após a terceira dose da Moderna. Neste caso, pessoas com grau de imunossupressão moderado a grave podem receber um total de quatro doses da vacina contra COVID-19.

Se você recebeu a vacina da Johnson & Johnson (Janssen) e é paciente com imunossupressão de moderada a grave:

  • Você deve receber uma única dose de reforço contra a COVID-19 (Pfizer-BioNTech, Moderna ou Janssen) pelo menos dois meses (oito semanas) após sua dose primária inicial da Janssen.
  • Uma pessoa que recebeu uma dose primária da vacina contra a COVID-19 da Janssen não deve receber mais de duas doses de vacina contra a COVID-19.

Se você tiver dúvidas sobre a necessidade de outra dose, com base em sua doença, entre em contato com seu provedor de assistência médica.

Por que as doses de reforço são importantes?

As doses de reforço ajudam na proteção contínua contra doenças graves para pessoas com alto risco de desenvolver complicações causadas pela COVID-19. As doses de reforço são recomendadas a todas as pessoas com 12 anos de idade ou mais, a fim de auxiliar no aumento da proteção contra a doença da COVID-19. Isso é importante devido à disseminação de outras variantes contagiosas e ao aumento de casos de COVID-19 nos Estados Unidos.

As vacinas contra COVID-19 que são autorizadas ou aprovadas nos Estados Unidos ainda são muito eficazes na redução dos riscos contra a forma mais grave da doença, hospitalização e óbito, e até mesmo contra as variantes. Mas, ainda assim, é possível que as vacinas percam parte de sua proteção com o tempo. As doses de reforço ajudam a prolongar a proteção contra a doença causada pela COVID-19. Consulte a página sobre doses de reforço da vacina para obter mais informações.

Informações e recursos adicionais

Recursos sobre a COVID-19 para grupos específicos

Crianças e jovens

Amamentação e/ou grávidas

Imigrantes e refugiados

Pessoas que não saem casa

Recursos adicionais específicos para a comunidade podem ser encontrados na página Vaccine Equity and Engagement (apenas em inglês).

Minha pergunta não foi respondida aqui. Como posso saber mais informações?

Dúvidas gerais podem ser enviadas para covid.vaccine@doh.wa.gov.